Total de visualizações de página

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Defeito colateral.


Meu cardiologista me passou ontem medicações novas.
Para quem leu o livro ou me conhece, sabe que tenho efeito colateral até de melhoral infantil.
Acordei péssima
Depois de um almoço que desceu quadrado, talvez engasgado com o choro preso que da um nó na garganta.
Fui pegar meu cartão de crédito que eu tinha deixado com a Mariah, quem sabe assim eu podia comprar alguma coisa que fizesse eu me sentir melhor. Mas vi a inutilidade dele, já que o que o que eu precisava não se vende em lojas e hoje me pareceu tão distante, tão irreal.
Já era final de tarde e fui sentar na praia para ver o mar, sempre me sinto melhor olhando para ele.
Fiquei alguns momentos ali, olhava o mar e esperava conseguir respostas que fizessem tudo ter algum sentido.
Claro tenho alguns “amigos” que eu podia ter ligado e tentar desabafar, mas por algum motivo isso nunca funciona.
Quando olho para as outras pessoas as palavras se perdem, os problemas ou mesmo as coisas bobas que me atormentam às vezes parecem besteiras e acabo não conseguindo falar.
É incrível os estragos que podem ser feitos na infância e depois levamos para o resto da vida
Não importa se foram feitos por nossos pais, pela forma como fomos criados ou por nós mesmos, eles estão presentes em cada atitude imprópria ou na forma como lidamos com o que não é bom de sentir.
Somos seres sozinhos e isso devia estar claro, mas nunca fica.
Cada pessoa um universo, cabeças e corações atormentados, cheios de perguntas, anseios e dúvidas.
Alguma coisa nos liga, mas estar ligados não significa sermos um só.
Sou apaixonada pela vida e por todas as possibilidades que ela oferece dia a dia.
Meu estado natural é feliz, otimista e não sei nem gosto de me sentir de outra forma, acho até que não mereço nada além do que não seja felicidade pura e simples.
Já tive minha cota de dor.
Percebi sentada na praia como as pessoas lidam de forma estranha com a dor.(Legal pelo menos não sou só eu rs)
Um grupo de surfistas sentados não muito distante olhavam até perceberem que eu estava chorando. Outras pessoas que passavam também se constrangiam.
Onde é que foi parar a espontaneidade?
A que nos faz falar o que sentimos, pensamos e queremos sem vergonha?
A mesma que nos faz pedir ao invés de querer que as outras pessoas adivinhem nossos desejos ou sejam nossos salvadores?
Ser por ser, sentir por sentir só por que é real...
Fiquei olhando uma gaivota que andava pela areia perto da água, tão sem jeito quanto eu sentada de vestido ali.
A diferença é que ela sabia o que estava fazendo.
Eu às vezes não sei.
Então depois de mais algum tempo sem respostas e nada melhor fiz o que fiz a vida toda.
Levantei e andei pela areia de volta para o carro com passos de quem sabe onde quer chegar.


Ps 1 Tudo bem talvez seja só DEFEITO colateral do remédio e isso também vai passar.


Ps 2 Quem disse que coração não dói?

6 comentários:

  1. Defeito colateral faz parte da vida, mesmo quando não tomamos remédio. Aliás, acho até que se as pessoas os aceitassem mais de frente tantos remédios não seria necessários... melhor que tapar o sol com a peneira ou com um sorriso forçado é fazer exatamente o que você fez, se permitir aqui e ali algumas sombras de angústia. Não fossem elas como a gente saberia identificar as horas felizes?
    O importante é saber sempre que as nuvens passam e o sol sempre brilha de volta. Agora vai explicar isso para uma gaivota!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Amiga linda!

    Também já tive a minha cota de dor...rsrs...Só que a fatura que pago é mensal...chega, né?!

    Olhar para o infinito sempre faz bem...Foi o que fiz quando cheguei aqui no Rio...Mas quando cheguei em casa rindo contando as minhas aventuras prá minha mãe. Ela me perguntou: Rovena, quando é que vc vai crescer?...srsrs...Eu respondi: nunca. Sou assim.

    Esse texto combinou com meu momento. Tá, dona Ana K?! Bjosss

    ResponderExcluir
  3. oi Ana,adoro o q vc escreve!!
    hj vc falou das dores da alma!
    eh a unica dor q nao tem remedio!
    mudar,seguir,sonhar e acordar se posicionar...doi ne?
    eh preço da inteligencia e de quem tem como compromisso ser feliz e fazer a vida valer a pena!!vc faz valer ate qdo chora!
    bjos no coração dear!
    Oscar Andrade

    ResponderExcluir
  4. oi ana,adoro o q vc escreve!!
    hj vc falou das dores da alma!
    eh a unica dor q nao tem remedio!
    mudar,seguir,sonhar e acordar se posicionar...doi ne?
    eh preço de quem tem como compromisso ser feliz e fazer a vida valer a pena!!vc faz isso ate qdo chora!
    bjos no coração ,dear!
    Oscar Andrade

    ResponderExcluir
  5. No sofrimento crescemos e aprendemos lições importantíssimas...keep walking...

    ResponderExcluir
  6. Jorge Fausto De Figueiredo29 de novembro de 2009 18:45

    Meu Amor nunca esqueça que o que não nos mata nos faz crescer, vc sabe que tou longe mas tou sempre do teu lado. Milhões de Bjus e Carinho

    ResponderExcluir